Onde deixar o gato quando viajar: pet sitter vs hotelzinho

images (1)

Correria pra lá, malas pra cá, preparativos, passagens… Mas ninguém lembrou de pesquisar onde deixar o gato quando viajar! Não seria bom se caísse do céu uma solução rápida e, principalmente, confiável para você saber onde deixar o gato quando viajar? Pet Sitter ou hotelzinho? Para cachorros é muito comum utilizarmos o serviço de hotel, mas será que para gatos também é a melhor solução? Infelizmente não podemos confiar nossos pets a qualquer um, muitas pessoas e estabelecimentos nos parecem confiáveis, mas será que elas realmente sabem o que estão fazendo?

Opção 1: Hotelzinho para gatos

Hotéis para animais podem ser uma mão na roda, se você achar um no qual o seu gato se sinta bem e seja bem tratado. Mas para gatos tímidos, medrosos ou mais introspectivos (que é a grande maioria), ir para um hotel é uma experiência desagradável, assustadora e muito estressante. Um gato mais idoso (com mais de 7 anos) pode, além sofrer estresse grande, ficar exposto a agentes infecciosos que o corpo dele já não consegue mais se proteger tanto quanto antes. Ou seja, hotel para gatos pode ser uma ideia boa para alguns gatos, mas para outros, nem tanto.

Um dos principais problemas de deixar o seu gato em hotelzinho ou em um pet shop (que geralmente os hospeda em gaiolas) é o estresse. A ciência nos indica cada dia mais que os gatos são muito mais sensíveis ao estresse do que os cachorros. E que o estresse, para esta espécie, pode acarretar em diversos problemas de saúde física e comportamental/psicológica.

download (3)

O seu gato fica extremamente estressado e assustado quando tem que sair de casa, você sabia disso?

 

Algumas das consequências do estresse para os gatos:

  • O gato fica mais propenso a ter transtornos alimentares como parar de comer ou comer menos. Ocorre que este problema é muito mais sério do que se imagina pois um gato que fica 24-48 sem comer corre alto risco de entrar no quadro de lipidose hepática. Um problema muito grave e muitas vezes irreversível (falamos mais sobre isso no final do artigo).
  • O gato fica mais propenso a beber pouca água, ficar desidratado e apresentar problemas urinários e renais. É muito comum os gatos apresentarem problemas urinários, eles já são mais propensos à isso. Ocorre que a diminuição na ingestão de água favorece ainda mais quadros urinários, infecciosos por exemplo.
  • O gato fica mais ansioso, sente-se desprotegido e com medo. Toda essa situação de desamparo pode levar à quadros de agressividade defensiva devido ao estresse e irritação.
  • O gato fica mais propenso a ter diarréia causada tanto pelo transtorno alimentar, quanto pelo estresse.

Outros potenciais problemas dos hotéis para os gatos:

  • Se o gato ficar próximo à outros gatos ou até cães, ele pode ficar incomodado, com medo e até desenvolver um trauma psicológico,
  • O gato pode entrar em alguma briga com outro gato, devido à não se conhecerem e à própria ansiedade,
  • O gato poderá ficar enjaulado ao invés de livre pela sala, principalmente se for em pet shop,
  • O gato poderá estar mais propenso a ter pulgas, carrapatos ou até parasitas internos, por causa do contato com outros animais e ficar em uma gaiola ou quartinho que esses gatos já ficaram,
  • O gato fica mais propenso a doenças, como por exemplo FIV e FelV. O FIV (Vírus da Imunodeficiência Felina) e o FeLV (Vírus da Leucemia Felina) são duas doenças infecciosas muito comuns em gatos, e que levam à quadros de saúde muito complicados e graves. Essas doenças são causadas por dois tipos diferentes de retrovírus, pertencentes ao gênero dos Oncornavírus (FeLV) e ao gênero dos Lentivirus (FIV). São vírus  frágeis e instáveis no meio ambiente, que são destruídos pelo calor ou por desinfetantes domésticos. Mas é importante verificar como é feita a limpeza e higiene do local.

 

Muitos gatos são tidos como "anti sociais", mas eles só estão muito muito muito assustados e estressados por terem que sair de casa

Muitos gatos são tidos como “anti sociais”, mas eles só estão muito muito muito assustados e estressados por terem que sair de casa

Nós sabemos que nem todas as pessoas confiam ou conhecem pet sitter    profissionais para cuidar do pet. Além disso, gatos que são sociáveis e estão  acostumados desde pequenos a sair de casa podem até aceitar bem hotéis e  não sofrerem tanto estresse.

Pensando nisso, daremos algumas dicas para quem não tem opção e contratar pet sitter, e precisa saber em que hotel deixar o gato quando viajar:

A ideia de um hotelzinho para o seu gato é que ele fique seguro e confortável enquanto você aproveita sua viagem. Portanto é muito importante que você tenha várias perguntas em mente, entenda quais são os fatores mais importantes quando for fazer uma visita ao local.

Procure responder essas perguntas mentalmente, como se fosse um jogo de perguntas e respostas sobre o hotelzinho. Cada “sim” é 1 ponto, cada “não” é -1 ponto e cada “não sei” ou “nunca vi” não soma nenhum ponto. No final você verá se o hotelzinho é, ou não, uma boa para o seu gatinho. Afinal, ele já está saindo de casa, ficando longe de você e da sua família… Ele merece um lugar muito bom e preparado para cuidar dele!

  • Sobre o ambiente: O cheiro é agradável? Ou tem aquele cheiro de quando você deixa a sua casa sem limpar?
  • O ambiente é silencioso ou é um completo caos? Tem música para os animais?
  • São gaiolas ou um quartinho? O quartinho é grande o suficiente para o pote de água e de comida não ficar muito perto da caixa de areia?
  • Quantos animais ficam em cada espaço? Ficam todos separados? É um hotel exclusivo para gatos?
  • Quantas caixas de areia existem no local? Qual é o tipo de areia utilizado? Quantas vezes é limpo? Quando você visitou, como estavam as caixas de areia?
  • Os gatos lá ganham carinho, brincam e são tirados da gaiola para, pelo menos, uma esticada nas patas? Quando você entrou, havia gatos miando? Estavam pedindo atenção ou estavam deitados ou brincando tranquilos?
  • Os gatinhos são escovados? como estava a pelagem deles? Havia muitos pelos no quartinho?
  • Se algum gato precisa tomar medicamento ou tem problema de saúde, ele recebe cuidados especiais e os remédios são dados na hora? Como é feito o controle?
  • A equipe faz algo para combater a ansiedade e trabalhar o medo dos hóspedes felinos? É feito algum trabalho de enriquecimento ambiental? Existem brinquedos? Que tipo de brinquedos? Existem prateleiras e caixas? Trabalham com feromônios (Feliway)?
  • O estabelecimento tem algum veterinário de plantão ou de prontidão?
  • O hotelzinho tem segurança noturna?
  • Sobre a interação da equipe que trabalha no hotel: eles têm uma boa comunicação com você? Como e com que frequência recebe informações?

Resultado:

De 0 a 4 “sim”: SINAL VERMELHO! Pense urgente em deixar seu gato em outro hotelzinho ou pensar em contratar uma pet sitter – que é a melhor opção para seu gato!

De 5 a 8 “sim”: SINAL AMARELO! Se puder pensar em buscar outro hotelzinho ou pensar em contratar uma pet sitter, melhor. Se não puder ou não quiser, evite deixá-lo no hotelzinho por longos períodos de tempo e acompanhe diariamente.

De 8 a 12 “sim”: SINAL VERDE! O hotelzinho que você escolheu para o seu gato passou no teste, mas lembre-se que mesmo ele sendo bom, o seu gato ainda está muito propenso a sofrer com o estresse da mudança de rotina e lugar. Conheça o seu gato!

Hotéis como esse aqui, onde o gato fica em uma gaiolinha. infelizmente, são os mais comuns de achar

Hotéis como esse aqui, onde o gato fica em uma gaiolinha. infelizmente, são os mais comuns de achar

Opção 2: Pet Sitter

Ah lar doce lar! Quem não gosta de ficar no conforto de sua casa, não é mesmo? Gatos não são diferentes, não. Eles AMAM suas casas, seu espaço, seus cantinhos, seu cheirinho. E ficam super estressados quando têm que sair delas.

A contratação de uma pet sitter é uma ótima maneira para você ter a segurança sabendo que seu gato continua confortável e seguro em sua casa e tendo toda atenção que precisa. Pare e pense como um gato (se é que é possível). Para ele, a sua família fugiu e desapareceu, sem aviso prévio e provavelmente jamais voltarão, mas pelo menos ele não perdeu o sofá que tanto gosta de dormir. Ele consegue ficar bem se tiver os cuidados básicos e atenção durante alguns períodos do dia.

Deixar o seu gato em casa com uma pet sitter confiável e bem treinada é a melhor opção de onde deixar o gato quando for viajar!

Deixar o seu gato em casa com uma pet sitter confiável e bem treinada é a melhor opção de onde deixar o gato quando for viajar!

Para alguns gatos, mesmo o melhor hotelzinho do mundo, com  mil arranhadores com catnip e petiscos de salmão liberados, é  algo aterrorizante. Não é 8/80. Existe sim alguns hoteizinhos que  são muito melhores do que muitos dos quartos de hotéis 4 estrelas por aí.  Mas normalmente para um gato, nada supera a familiaridade de sua casa.  Por isso considere a contratação de uma pet sitter experiente, bem  treinada e bem recomendada. Aliás, pode ser bem mais barato do que um  hotelzinho.

Seja exigente e responsável pelo seu filho animal. Não basta pedir para o garoto da casa ao lado ir dar uma olhadinha no seu gato por uns trocados. Você precisa de alguém que vá fazer o seu gato se sentir seguro. Alguém que não só limpe a caixa de areia e alimente-o. Mas que entenda quais são os riscos e os cuidados necessários. Que controle a forma como ele está comendo e usando a caixa de areia, te deixe a par de tudo que está acontecendo. Alguém que seja esperto e prestativo, que saiba interagir com seu gato. E que use várias técnicas para minimizar o estresse de sua ausência.

Uma pet sitter que, além de alimentar, limpar e vigiar, tem tempo para brincar com o gato, penteá-lo, enchê-lo de enriquecimento ambiental e exercícios mentais. Ela pode ser uma GRANDE aliada na luta de fazer o seu pequeno não sofrer tanto com a sua ausência – e você conseguir suportar a distância com um pouco mais de tranquilidade.

O zelador do prédio, a filha do vizinho, o seu sobrinho de 15 anos, a nem a sua avó vão poder oferecer um serviço completo de uma pet sitter treinada. Não estamos desvalorizando ninguém, temos certeza que são ótimas pessoas, com a melhor das intenções. Mas comparando-os com profissionais treinados e capacitados para o serviço existe uma gigantesca diferença.

Uma pet sitter preparada para cuidar do seu gato vai notar se ele tiver quaisquer mudança de comportamento ou saúde, e logo no início.  Talvez ele não tenha urinado durante todo o dia ou retirou um pedaço de pelo de sua perna. Está mancando ou talvez coçou o olho e acabou machucando o próprio olho com a unha. Está com começo de diarréia, não comeu, etc.

Os familiares, zeladores, vizinhos e amigos não são a melhor opção. Eles podem até ser carinhosos – e muito – mas eles não sabem fazer diversas funções que uma pet sitter exerceria, podem esquecer ou simplesmente não ir (sabemos de muitos casos disso, é bem comum!). E, pior, podem não saber proceder em caso de alguma emergência. Como o seu gato ficar sem comida e água, e acabar desidratado ou com quadro de lipidose hepática.

Lembre-se: ao contratar uma pet sitter certifique-se de que está escolhendo alguém que se preocupa profundamente com o bem-estar de cada cliente, e que dedica todo o tempo durante as visitas para garantir a segurança, saúde e felicidade do seu gato.

 

Tudo tem a ver com o estresse que o seu gato pode sofrer

É muito comum tutores preferirem o pet sitter ao hotel para gatos, realmente o estresse do animal será menor se não sair de casa. Mas nem sempre essa preferência se dá de forma correta. Alguns tutores preferem contratar somente 1 visita diária ou, até mesmo, contratar algumas visitas espaçadas e escolher por um familiar ir visitar o pet diariamente, mas isso pode não ser bom para o seu gato.

Gatos medrosos ou tímidos sofrem mais?

É provável! Para gatos tímidos ou medrosos, a melhor opção sem dúvida é o pet sitter. O estresse dele será enorme se tiver que sair de casa para ir à um lugar desconhecido (e lembre que você estará viajando e longe dele, isso já é assustador o suficiente). Se você contratar pet sitter para um gato medroso uma dica é agendar uma visita com a pet sitter que for contratada. Para ela e o seu gato irem se acostumando um com o outro, para o gato associar a imagem da sua pet sitter como algo positivo, prazeroso.

Deixe que ela o veja, dê um petisco para ele e que o animal vá se aproximando da pessoa no seu tempo, sem forçar. Conforme ela for sentindo que o gato abre as portas da comunicação e está aceitando a presença, a relação vai sendo criada. É importante nunca forçar qualquer interação: o animal que escolhe!

Uma pet sitter profissional e bem treinada saberá se aproximar do seu gato, especialmente se ele for medroso ou tímido. Uma pet sitter com boa formação sabe observar o gato e julgar sua condição geral de saúde somente olhando pros olhos do seu gato. Deixe também que ela converse com o gato, com tom calmo e piscando os olhos. Comunicação é tudo!

Gatos estão 100000000x mais propensos para terem estresse ao se mudar de um ambiente para outro do que os cachorros.

Gatos estão 100000000x mais propensos para terem estresse ao se mudar de um ambiente para outro do que os cachorros.

Cuidado com a Lipidose Hepática!

É extremamente importante que você contrate uma pet sitter que saiba monitorar a alimentação do seu gato. Ele precisa comer todos os dias e consumir uma quantidade diária de calorias considerada saudável para o peso dele, caso contrário ele poderá entrar no quadro de lipidose hepática.

Mas afinal, o que é Lipidose Hepática? A Lipidose Hepática felina, popularmente conhecida como síndrome do fígado gordo felino, é uma doença comum entre os gatos que normalmente sofrem privação alimentar ou que passaram por períodos de anorexia (ficam sem comer).

Os sintomas mais comuns dessa doença são: anorexia, perda de peso, letargia, desidratação, vômito, icterícia (mucosas amareladas), sangramentos nas gengívas e, em certas situações, alterações comportamentais ou sinais neurológicos como salivação excessiva, cegueira, semi-coma ou coma e convulsões.

Existem três tipos de causas para a Lipidose Hepática:

  1. Primária: aparece em períodos de anorexia e/ou estresse nos gatos obesos;
  2. Secundária: não é necessariamente exclusiva de gatos obesos, até os mais magrinhos podem ter a doença. Esse tipo é muito relacionado a gatos anoréticos, a estresse e a alguma doença já existente (pancreatite, diabetes melito, outros distúrbios hepáticos…).
  3. Estresse: proveniente de alteração de ambiente ou remanejamento na casa, entrada de um novo animal, alteração abrupta de alimentação, doenças…

Escala de classificação da doença: ruim. Ou seja, é uma doença muito grave, muitas vezes irreversível (apresenta alta mortalidade). O diagnóstico precoce e tratamento intensivo são extremamente necessários (possível cura de 60%).

A Lipidose Hepática é uma das piores doenças que atacam os gatos!

A Lipidose Hepática é uma das piores doenças que atacam os gatos!

Como escolher uma pet sitter?

Assim como algumas pessoas são amantes de cachorros, outras são de pássaros e outras são de gatos – não tem jeito, quando a gente ama um animal não tem como largar né, no nosso caso fica mais difícil por que amamos todos os tipos 😉 .

Não há “tamanho único” quando se trata de encontrar a pet sitter ideal para atender as necessidades específicas que você e seu animal de estimação têm. A indústria de pet sitting tem crescido muito nos últimos anos, isso tem proporcionado aos donos de animais muitas opções. O óbvio está acontecendo, com mais opções de pet sitting e muitos diretórios pet sitter online, muitas pessoas se denominam “pet sitters profissionais”. Por isso você terá que ser muito mais cauteloso em sua busca por alguém realmente confiável.

Por saber que nossos clientes e leitores querem sempre saber mais e mais e mais sobre cuidados para seus pets, escrevemos um artigo aqui no blog sobre como achar a pet sitter ideal para o seu pet. Nele você encontra dicas, perguntas, os serviços primários e adicionais que uma pet sitter de qualidade pode e deve oferecer e ainda falamos um pouco sobre o nosso serviço de pet sitter.

Uma pet sitter é mais que uma babá para o seu pet, é a melhor amiga temporária dele!

Uma pet sitter é mais que uma babá para o seu pet, é a melhor amiga temporária dele!

 

A ajuda chegou!

Por sabermos que não se pode confiar o nosso pet a alguém sem qualificações, a Pet Anjo oferece o serviço de Pet Sitter com qualidade excepcional. Somos a única empresa a possuir certificação internacional de Pet Sitter e todos os nossos “Anjos de pets” foram rigorosamente selecionados e aprovados em nossa avaliação de qualidade.

Afim de evitar o estresse da mudança de ambiente e oferecer um serviço de qualidade e segurança ímpar, nossos Anjos fazem o serviço de Pet Sitter de acordo com o extenso curso ministrado pela nossa fundadora, Médica Veterinária Carolina Rocha – mestre em comportamento animal pela USP.

onde deixar o gato quando viajar

Conheça o serviço de Pet Sitter da Pet Anjo, com todas as suas exclusividades e saiba onde deixar o gato quando viajar!

 

 

Nós da Pet Anjo amamos cuidar do gatinho dos nossos clientes!

Nós temos Anjos da Guarda para você não precisar se preocupar com onde deixar o gato quando viajar. Profissionais capacitados com nossos exclusivos certificados internacionais, que oferecem serviços de dog walker, pet sitter e hospedagem familiar. Quer conhecer mais?

Visite nosso site: www.petanjo.com.br

Ou entre em contato pelos telefones:

SP – (11) 99953-9409 (TIM)

SP – (11) 97603-05085 (CLARO)

SP – (11) 99757-1110 (VIVO)

RS – (51)  9509-6196 (VIVO)

SC – (48) 9166-3791 (VIVO)

Ou você pode também falar com a gente pelo email contato@petanjo.com

Você tem sugestões, críticas, atualizações ou comentário sobre o serviço de Pet Sitter em geral? Ou já fez um serviço conosco e gostaria de deixar seu comentário? Nós adoraríamos te ouvir. Comente aqui no post ou nos mande um email!

Você acabou de ler – Onde deixar o gato quando viajar: Pet Sitter vs hotelzinho


Temos uma equipe pronta para te ajudar, nos conte mais sobre o seu pet 🐶🐱

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Seu telefone

 Dog Walker (Passeio) Pet Sitter (Visita) Hospedagem familiar

Nos conte mais sobre seu peludo

Comente com Facebook
1 Comments

Leave a Comment