Transporte de gatos e cachorros no carro

Complementando a matéria do jornal O Estado de São Paulo que participei, de 21 de agosto de 2013 sobre o transporte de gatos e cachorros no carro.

Acredito ser importante complementar a matéria já que existem tantas outras dicas importantes! Seguem abaixo algumas outras recomendações sobre transporte de gatos e cachorros no carro:

– O transporte adequado é uma questão de segurança tanto para o tutor quanto para o animal. No caso de um acidente, o animal pode sofrer traumatismos e vir a óbito caso não esteja devidamente protegido. Manter o animal solto no carro também aumenta a probabilidade dele distrair o motorista, se mover para um local que atrapalhe a direção e favorecer a ocorrência de um acidente.

– O transporte adequado também é uma questão de bem estar para o animal, já que mantendo-o calmo, tranquilo e dessensibilizado durante o caminho, ele sofrerá menos estresse e poderá, inclusive, ter prazer durante o passeio.

– Ocorre que muitas vezes o animal só anda de carro quando vai para o veterinário ou pet shop. Assim, para o animal, são sempre associadas as transporte situações não prazerosas. Sempre que tem que ir para o carro já sabe que algo indesejado o espera!

– O ideal é que o animal fique sempre no banco de trás utilizando alguma medida de segurança, sem estar solto no carro e sem a cabeça ou qualquer outra parte do corpo para fora do carro. Muitos cães gostam de colocar a cabeça para fora da janela, mas isso pode ser muito perigoso! Objetos podem atingi-los, partículas de poeira podem se aspiradas levando a problemas respiratórios, traumas podem ocorrer durante o passeio e problemas relacionados à otites também podem piorar.

–  O tipo de transporte número 1, “gold standart” seria a caixa de transporte, feita de plástico duro e, preferencialmente revestida por dentro com material mais macio (pelo menos um cobertor). Lembrando que existem muitas caixas de transporte no mercado feitas de tecido, maleáveis: estas não são as melhores pois não protegem suficientemente o animal em caso de acidente ou freadas mais bruscas. Deve-se ter uma caixa de tamanho certo – que o animal possa ficar em pé e se virar dentro dela! Além disso, a caixa deve estar presa ao acento através do cinto de segurança, não deve ficar solta no acento!

– Para o uso da caixa, porém, é indispensável que o animal tenha sido treinado para aceitar e gostar de estar dentro da caixa! Esse treinamento prévio é extremamente importante para garantir o bem estar do animal (e também do tutor rs). Logo, voltamos à prevenção, ao planejamento! O ideal é treinar desde filhotinho o cão e o gato a gostarem da caixa de transporte e a verem como um local seguro e prazeroso. Se evita com isso muitos problemas futuros e cria-se uma ferramenta muito útil para a convivência harmoniosa com os animais. Pode-se iniciar esse treino com a caixa dentro de casa, com brinquedos, petiscos, brinquedos com petiscos :), brincadeira, um cobertor macio, e etc – tudo para fazer com que a caixa seja um lugar muito prazeroso para o animal. Só se deve passar para a próxima fase quando o animal estiver muito tranquilo, sem mostrar sinais de que quer sair, de que está com medo, etc. Então depois deve-se passar para a fase de treino dentro do carro, mas com este ainda parado, sem movimento. Quando o animal estiver tranquilo, ligar o carro, sem move-lo. E só em seguida, passar para a fase dos passeios curtos, de 3 a 5 minutos. Ir aumentando então, gradativamente o tempo do passeio. E lembre-se: só passe para a próxima fase se ele estiver muito tranquilo e sem mostrar sinais de que quer sair ou está com medo; e sempre, sempre, sempre use e abuse de reforços positivos (carinho, petiscos, brincadeira, etc) quando ele estiver calmo e ao final de cada sessão de treino. Além disso, se o animal não ficar calmo, tente fazer treinos mais curtos, sempre terminando de uma maneira gostosa, antes do animal mostrar que quer sair ou que não está gostando. O ideal é sempre contar com um profissional da área do comportamento animal para ter ajudar!

– Muitos cães não têm tanta facilidade em lidar com caixas de transporte, ou as vezes em uma emergência o tutor não pode contar com o treino para uso da caixa. Existem então outras opções: o cinto de segurança para cães, que deve estar preso ao cinto de segurança do carro; o cinto de segurança utilizado junto com o cestinho (esta forma de transporte é indicada para cães de pequeno porte); a barreira de tecido para os bancos da frente em associação com o uso de cinto de cães (indicada para cães de grande porte ou gigantes). Ressaltando que o animal nunca deve ir no banco da frente!

– Gatos precisam ser transportados em caixas de transporte! Para gatos isso é muito importante pois a maioria deles não se sente nada seguro em carros. Com raras exceções, é claro. Novamente, o treino para o uso da caixa é extremamente importante!

– Sempre ter brinquedos, brinquedos com alimento, brinquedos de morder, água, comida e cobertor!

– Identificar o animal! Vai sair para um passeio? Vai viajar? Não esqueça de identificar o animal! Microchip e plaquinha com nome e telefone são extremamente importantes para evitar tragédias com seu peludo!

– O ideal é sempre que for viajar longas distâncias com seu pet, levar um outro acompanhante humano junto! Ele pode te ajudar a cuidar do animal e deixa-lo mais tranquilo cuidando do caminho.

– É interessante também, no caso de cães, treina-lo a fazer xixi quando você pede. Não é um treino muito díficil. Procure um profissional para que ele te ajude nisso!

– Se seu peludo passa muito mal durante o transporte em carro, baba muito, vomita, late muito, treme,fica com uma postura diferente, procure por um médico veterinário especialista em comportamento animal. Seu animal pode estar precisando de um tratamento mais especializado.

Erros comuns – o que NUNCA fazer!

-NUNCA dê medicamentos sem a recomendação de um médico veterinário de confiança!

-NUNCA force o animal a longos passeios sem antes treina-lo e dessensibiliza-lo com passeios mais curtos.

-NUNCA brigue ou grite se seu peludo vomitar, latir muito ou chorar!

-NUNCA deixar o animal sozinho no carro! A temperatura pode aumentar muito dentro do carro, mesmo não estando no verão, em poucos minutos a temperatura aumentar muito e trazer diversos problemas, levando até à morte! Sem falar no medo, ansiedade e estresse de ficar sozinho no carro!

-NUNCA coloque o seu companheiro animal no banco da frente!

Se tiver alguma dificuldade com passeios, lembre-se: 

* PLANEJE A VIAGEM COM TEMPO – PLANEJAMENTO AVANÇADO É SEMPRE A MELHOR OPÇÃO!

* TRABALHE NISSO DESDE QUE O ANIMAL É FILHOTE!

* PROCURE POR UM PROFISSIONAL QUALIFICADO QUE FAÇA USO DE TÉCNICAS MODERNAS, BASEADAS EM REFORÇAMENTO POSITIVO (veja o nosso post do facebook sobre como escolher um treinador)!

Texto da Dra. Carolina Rocha – Especialista em Comportamento Animal

Direitos reservados. Se citar este texto, por favor, indique a fonte e não altere o conteúdo.


Temos uma equipe pronta para te ajudar, nos conte mais sobre o seu pet 🐶🐱

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Seu telefone

 Dog Walker (Passeio) Pet Sitter (Visita) Hospedagem familiar

Nos conte mais sobre seu peludo

Comente com Facebook
2 Comments
  • Debora

    Responder

    Olá Dra. Carolina Rocha, gostaria de sugerir uma matéria que indique os tipos de caixas de transporte para gatos, e como organizar a caixa. Eu sempre viajei com minha gata, viagem de 4 horas, e sempre tive dificuldade em arrumar para os imprevistos das necessidades fisiológicas, coloco sempre jornal, ou um paninho velho. Gostaria de dicas de como proceder, visto que agora minha gata tem dois filhotes e também comecei a viajar com eles. Obrigada!

    • Pet Anjo

      Olá Débora, tudo bem?
      Agradecemos a sua sugestão, com certeza levaremos em conta para escrevermos um novo artigo sobre gatos.
      Em breve teremos mais um post que te ajude a cuidar ainda mais dos seus pets! Fique atenta ao blog.
      Obrigada pela participação.
      Um abraço,
      Pet Anjo

Leave a Comment