Adotei um cachorro, e agora?

Antes de qualquer coisa, se você está lendo isso e adotou um peludo, PARABÉNS! Resgatar um animal abandonado é um lindo ato de compaixão que deve ser reconhecido e parabenizado, então, mais uma vez, parabéns! Se você está nessa situação e chegou até esse post, é porque se importa com seu novo amigo e quer saber quais são os primeiros passos que você deve dar nessa nova jornada, certo? Pra te ajudarmos, vamos dar algumas dicas importantes que nem todo mundo sabe sobre cães resgatados!

Hoje, existem mais de 30 milhões de animais abandonados no Brasil. O que representa cerca de 30% da população total de pets. Adotar é apenas uma das maneiras de ajudar. Para você, que não pode adotar um peludo, mas quer ajudar e não sabe quais são essas outras maneiras, nós escrevemos um Guia de Adoção suuuuper completo onde mostramos quais são as outras formas de ajudar. Além, é claro, de tudo que você precisa saber para adotar e cuidar de um animalzinho resgatado.


Ler Guia de Adoção


Dica 1: Prepare sua casa

Você pode achar que, apesar de sua casa não ser a mais bagunçada do mundo, ela já está pronta para receber um pet, mas o que muitas pessoas não sabem, é que existem vários objetos e itens que todo mundo tem em casa que são tóxicos e podem fazer mal à qualquer animal. Podendo inclusive gerar uma intoxicação por ingestão que pode vir a levar a morte – entenda o que é e como lidar com intoxicação por ingestão nesse vídeo aqui 👇

Além de preparar sua casa pensando no que pode fazer mal ao seu novo pet, é importante que você pense em você também, certo? Afinal, acredito que você não acharia legal se chegasse em casa e encontrasse aquele vaso que sua bisavó te deu em cacos, no chão. Ou o seu sofá todo arranhado ou sujo. Então, dependendo do nível de energia e poder de destruição do seu pequeno, talvez valha a pena reconsiderar a disposição de alguns móveis e objetos na sua casa.

Nós deixamos também algumas dicas de decoração especiais para seu resgatado, veja aqui

Dica 2: Cuidados com sua saúde e do seu novo pet

Se você adotou seu novo companheiro por intermédio de alguma ONG, provavelmente você deve ter recebido todas as informações em relação à saúde dele, assim como instruções para mantê-lo saudável e feliz! Agora, se você resgatou um peludinho das ruas, é importante que você tome algumas medidas o mais breve possível para evitar que ele, você e as pessoas que convivem com você tenham qualquer problema de saúde.

cuidados com cachorro adotado

Então, leve o novo membro da sua família em uma consulta veterinária o quanto antes para fazer um checkup e garantir que esteja tudo certo com a saúde dele! Dessa forma, você previne que ele e sua família tenha alguma doença. Muitos dos cãezinhos que vivem nas ruas são contaminados com doenças que podem ser transmitidas para humanos. As mais comuns são:

1. Cinomose

Apesar de ser uma doença mais comum em filhotes, a cinomose é uma doença altamente contagiosa que pode atingir cães de todas as idades. Atacando diretamente diversos órgãos, podendo se alastrar por todo organismo.

O vírus transmissor é bastante sensível ao calor e um ambiente frio e seco é o ideal para que ele sobreviva por mais tempo.

2. Parvovirose

Uma das doenças contagiosas mais comuns em nossos cãezinhos, a parvovirose é transmitida, principalmente, quando existe contato com fezes que contém o vírus parvovírus. Vírus que se mantém em panelas, roupas e outros objetos.

veterinario cachorro adotado

3. Parasitas

Existem também várias doenças causadas por parasitas que podem causar desde um simples incômodo até doenças graves que podem levar à morte. Entre elas estão os vermes, pulgas, berne, carrapatos, sarna e diversas outras doenças.

Dica 3: Comportamento do seu resgatado

Como muitos dos cães que são adotados foram abandonados ou encontrados nas ruas, é comum que eles não saibam lidar com alguns comandos. Afinal, se ele foi abandonado, convenhamos que seu antigo tutor não tinha um pingo de consideração por ele, imagine dedicação para ensiná-lo comandos básicos, que todo animal de estimação deve saber.Captura de Tela 2017-02-24 às 16.24.47

Os primeiros dias com o novo membro da sua família poderão ser longos e parecer difíceis, mas serão também os mais especiais e fundamentais para a adaptação do seu novo amigo. O seu novo filho vai estar confuso e amedrontado com tudo que está acontecendo de novo em sua vida e com o que esperar de você, seu novo dono. Pensando nisso, listamos 5 dicas pra que ele se sinta confortável em seu novo lar

1. Comece pelo básico

Comece ensinando comandos básicos para o seu cachorro, como o “senta”. Esse primeiro contato ajuda a criar um vínculo tutor-cachorro, que vai ser fortalecido com o tempo.Captura de Tela 2017-02-24 às 16.24.56

Dica: Reforce o comportamento desejado com petiscos, assim ele associa que fez o movimento certo e ainda ganha uns petiscos saudáveis e muito gostosos (provavelmente ele não estava acostumado a isso no abrigo ou na rua).Sempre que ele sentar, dê um petisco e fale “muito bem”! Com o tempo vá utilizando um sinal com as mãos e a palavra “senta”.

2. Ajude-o a se acostumar, seja paciente

Nos primeiros dias e semanas, seu cachorrinho vai estar passando por um período de adaptação, e isso pode causar alguns sintomas de ansiedade, falta de apetite ou alguns hábitos inadequados, como se esconder de você. Não se preocupe, é normal! Seja paciente e tente mostrar a ele todo o carinho que puder, isso vai ajudá-lo e muito!

3. Tenha consistência

Tente passear e alimentá-lo diariamente no mesmo horário, chamando sempre com as mesmas palavras e entonação, por exemplo “vamos passear?” ou “Hora de papar!”. Ter uma rotina consistente é extremamente importante para o sucesso da integração de seu novo cachorrinho na família, além disso, faz com que ele se sinta seguro e comece a confiar em você.Captura de Tela 2017-02-24 às 16.24.36

4. Passe um tempo com ele, mas deixe-o sozinho também

Passar um tempinho fazendo carinho e conversando com seu cachorrinho diariamente ajudará ele a criar uma relação afetiva com você. O contato físico é incrivelmente poderoso e funciona sempre! Mas não abuse, todo mundo precisa ficar um pouquinho sozinho, não é mesmo?

Deixá-lo sozinho por algumas horas fará com que ele explore os arredores de sua casa. Não precisa deixá-lo completamente sozinho em casa, só de se afastar um pouco, ficando em outro cômodo já ajuda muito.

5. Use diminuidores de ansiedade

Use e abuse do famoso enriquecimento ambiental – comedouros, ossos próprios para cães, brinquedos, ou até mesmo música e TV – com o objetivo de manter seu novo filho ocupado enquanto você estiver ausente. Essa dica é principalmente para quando você precisar se ausentar por várias horas.

Dica 4: Castração

Todos concordamos que é sempre melhor previnir um problema do que remediá-lo, certo? O primeiro passo para ajudar a diminuir a quantidade de pets abandonados, é evitar filhotes indesejados. Por isso, a castração é uma ótima maneira de ajudar, além de trazer diversos outros benefícios. Nós falamos um pouco mais sobre esse – polêmico – assunto nesse vídeo aqui 👇

Dica 5: Como escolher o nome do seu resgatado

Algumas pessoas podem não dar muita importância para a escolha do nome do mais novo membro da família. Mas escolher o nome do seu mais novo melhor amigo é uma decisão importantíssima e deve ser tomada com cuidado. Por isso listamos algumas dicas pra você escolher o nome perfeito para seu cachorro:

Dica 1 – Nomes Curtos

A primeira dica para você escolher um bom nome para seu novo melhor amigo é simples: use nomes curtos. Evite nomes muito longos. Quanto mais longo for o nome, mais tempo ele vai demorar para aprender que este é o nome dele e ele demorará mais para aprender os comandos que você ensinar.

Então, se você estava pensando em um nome longo ou composto, talvez valha a pena pensar mais um pouquinho.

Dica 2 – Consoantes Fortes

Os cães tem uma espécie de “antena parabólica” nas orelhas. Eles conseguem ouvir frequências diferentes das que nós, humanos, conseguimos. Usar consoantes fortes, que chamem atenção (como C, CH, K) é uma ótima dica para você ajudar para que ele te entenda mais rapidamente. Alguns bons exemplos são Teka, Cacau, etc.Captura de Tela 2017-02-24 às 16.34.19

Dica 3 – Evite Nomes de pets e pessoas próximas

Evite apelidos e abreviações de nomes, de pessoas ou pets que irão conviver com seu novo amiguinho. Imagine a confusão que seria na cabeça de sua cachorrinha se, por exemplo, se você tiver uma irmã que se chama Julia, e colocar o nome da sua pequena de Juju.

Comente com Facebook